Software de Gestão do Conhecimento para Trabalhos Acadêmicos

Clique AQUI para acessar mais informações.


Seguidores

quinta-feira, 29 de dezembro de 2011

Eliézer de Mello Silveira denunciou Luiz Mott ao Ministério Público Federal da Bahia: APOLOGIA DE CRIME DE PEDOFILIA. Luiz Motta, professor universitário, líder do movimento gay, petista, esquerdista, marxista e socialista da Universidade Federal da Bahia, agraciado por LULA por medalha, se orgulha de ter tido relações sexuais com mais de 500 homens, deve ir URGENTE PARA CADEIA POR FAZER APOLOGIA A PEDOFILIA. Um abismo chama outro abismo!

Eliézer de Mello Silveira denunciou Luiz Mott ao Ministério Público Federal da Bahia: APOLOGIA DE CRIME DE PEDOFILIA. Luiz Motta, professor universitário, líder do movimento gay, petista, esquerdista, marxista e socialista da Universidade Federal da Bahia, agraciado por LULA por medalha, se orgulha de ter tido relações sexuais com mais de 500 homens, deve ir URGENTE PARA CADEIA POR FAZER APOLOGIA A PEDOFILIA. Um abismo chama outro abismo!

http://luis-cavalcante.blogspot.com/2011/12/eliezer-de-mello-silveira-denunciou.html

sexta-feira, 9 de dezembro de 2011

Abraham Kuyper: A Short and Personal Introduction





Abraham Kuyper
A Short and Personal Introduction
 
 
PAPERBACK; Published: 6/10/2011
ISBN: 978-0-8028-6603-5
148 Pages
In Stock
Ships within 3 business days
 
DESCRIPTION
Richard Mouw was first drawn to Abraham Kuyper's writings about public life in the turbulent 1960s. As he struggled to find the right Christian stance toward big social issues such as the civil rights movement and the Vietnam War, Mouw discovered Kuyper's Lectures on Calvinism -- and, with it, a robust vision of active Christian involvement in public life that has guided him ever since.

In this "short and personal introduction" Mouw sets forth Kuyper's main ideas on Christian cultural discipleship, including his views on sphere sovereignty, the antithesis, common grace, and more. Mouw looks at ways to update -- and, in some places, even correct -- Kuyper's thought as he applies it to such twenty-first-century issues as religious and cultural pluralism, technology, and the challenge of Islam.

REVIEWS
James K. A. Smith
— Calvin College
"This marvelous little book pulls off an astounding feat: though it is both compact and accessible, it also gives us the whole Kuyper. Too often we get Kuyper in slices: folks gravitate to a 'side' of Kuyper, adopting his theology of culture but neglecting his emphasis on the church, or picking up common grace but neglecting antithesis. But Mouw, with typical wit and warmth, introduces us to Kuyper in all his multifaceted richness. A gift for the next generation."
John Bowlin
— Princeton Theological Seminary
"Part introduction to the principal loci of Kuyper's theology of culture, part personal reflection on the legacy of neo-Calvinism, part Kuyperian aggiornamento for the twenty-first century, Rich Mouw's book is a gem. Its engagement with Kuyper's work is thoughtful and sympathetic, but also questioning and critical, a combination that makes this book a perfect entryway into Kuyper's social thought."
John Stackhouse
— Regent College
"Richard Mouw's book does just what it is supposed to do: stimulate our thinking on subjects of consequence, quicken our interest in a mind many of us ought to know better, and improve already great concepts into ideas even better suited to our circumstances. That's a lot to accomplish in a small book — of which genre Mouw must now be acknowledged a master."
 
 

The Kuyper Center Review - Volume Two: Revelation and Common Grace

 

 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
DESCRIPTION
 
Abraham Kuyper -- pastor, theologian, journalist, and politician -- is highly regarded as exemplifying how confidence in the truth of a Christian worldview can be expressed in both theory and practice. Honoring the spirit of Kuyper's legacy, The Kuyper Center Review publishes substantial essays that relate the tradition of Reformed theology to issues of public life.

The chapters in this second volume in the series, Revelation and Common Grace, were originally presented at the annual Kuyper Conferences held at the Abraham Kuyper Center for Public Theology at Princeton Theological Seminary in 2009 and 2010. The 2009 conference celebrated the centenary of Herman Bavinck's Stone Lectures, and it brought theologians and philosophers into conversation on topics that Bavinck considered relevant to assessing the nature and status of revelation. The 2010 conference explored the concept of common grace -- key to the thought of both Kuyper and Bavinck -- and especially its potential for furthering interreligious dialogue and understanding among the Abrahamic faith traditions.

Contributors:
  • Leora Batnitzky
  • Robert Covolo
  • Emily Dumler-Winckler
  • James Eglinton
  • Anver M. Emon
  • Gordon Graham
  • George Harinck
  • Andrew M. Harmon
  • Jeffrey S. Hocking
  • Cambria Janae Kaltwasser
  • Brian G. Mattson
  • Jon Stanley
  • Henk van den Belt
  • Dirk van Keulen
  • Jan Veenhof
  • Cory Willson

Fonte: http://www.eerdmans.com/Products/6631/the-kuyper-center-review-volume-two.aspx


Divulgação: http://educacaoeculturareformada.blogspot.com

Our Workship - Abraham Kuyper

DESCRIPTION
Series: Calvin Institute of Christian Worship Liturgical Studies (CICW)

Few modern figures in the Reformed tradition are as widely influential as Abraham Kuyper, whose views on theology, politics, and Christian culture are renowned. His writings on worship, however, are not as well known. This new English translation of Onze Eredienst fills that gap, offering Kuyper's clearest thinking on worship and liturgy. Though written nearly a hundred years ago, his perspectives on worship are amazingly relevant to our time.

In a substantive introduction Harry Boonstra outlines Kuyper's life and the historical context in which he wrote. Adding even more luster to the volume are concluding essays by John Bolt, Bryan Spinks, Geoffrey Wainwright, and Nicholas Wolterstorff.  
 
REVIEWS
 
James Bratt, Calvin College
"Abraham Kuyper was a deep thinker and savvy organizer in the domains of church, state, and the academy. Here he turns his attention to the theory and practice of worship, with remarkable results. He recovers tradition while freshly engaging contemporary life. He criticizes the excesses of formalism and pietism while harvesting the virtues hidden by their distortions. His articulate and consistent point of view still sets a useful standard for measuring our own liturgical practices a hundred years later."
Mark Noll, University of Notre Dame
"Many of Abraham Kuyper's specific comments about public Christian worship are dated. But because his observations are rooted in sound theology and deep scriptural learning, his treatment of the subject is filled with compelling wisdom. The contemporary commentators enlisted to interact with Kuyper add even more depth and breadth to this important volume."
Richard J. Mouw, Fuller Theological Seminary
"Kuyper never ceases to amaze! Here he addresses the church's worshiping life with insight and candor — and in a manner that regularly comes across as surprisingly contemporary. All of the obvious topics are here: liturgy, hymnody, sacraments, preaching. But he also takes on subjects that don't often get attention in books on worship: what it's like to listen to a sermon, the best seating arrangements in a sanctuary, the 'tone' and length of a prayer. Here too, 'Father Abraham' takes up the cause of 'the little people' — in this case, those who sit in the pews!"
 
Our Worship
PAPERBACK; Published: 1/13/2009
ISBN: 978-0-8028-6393-5
411 Pages
Series

The Challenges of Cultural Discipleship: Essays in the Line of Abraham Kuyper

The Challenges of Cultural Discipleship: Essays in the Line of Abraham Kuyper

Por Richard J. Mouw


Clique AQUI para acessar o material.


Divulgação: http://educacaoeculturareformada.blogspot.com


DESCRIPTION
 
Richard J. Mouw is well known for his incisive views on the intersection of culture and Christianity and for his efforts to make the thought of major Dutch theologian Abraham Kuyper accessible to average Christians. In this volume Mouw provides the scholarly "backstory" to his popular books as he interprets, applies, expands on -- and at times even corrects -- Kuyper's remarkable vision for faith and public life.

In thirteen essays Mouw explores and develops the Kuyperian perspective on key topics in Christian cultural discipleship, including public theology, sphere sovereignty, education, creation, and more. He deftly articulates an ecumenically enriched neo-Calvinist -- or "neo-Kuyperian" -- perspective that appropriates and contextualizes the ideas and insights of this important theologian and statesman for new challenges in Christian thought and service.  


The Challenges of Cultural Discipleship
Essays in the Line of Abraham Kuyper
PAPERBACK; Published: 11/21/2011
ISBN: 978-0-8028-6698-1
246 Pages
In Stock
Ships within 3 business days
Fonte: http://www.eerdmans.com/Products/Default.aspx?ISBN=9780802866981

quarta-feira, 23 de novembro de 2011

A Response to Johan D. van der Vyver’s “The Jurisprudential Legacy of Abraham Kuyper and Leo XIII”

A Response to Johan D. van der Vyver’s “The Jurisprudential Legacy of Abraham Kuyper and Leo XIII”

by Rev. David W. Hall - Director, The Kuyper Institute

Fonte: AQUI

A Historian’s Comment on the Use of Abraham Kuyper’s Idea of Sphere Sovereignty

A Historian’s Comment on the Use of Abraham Kuyper’s Idea of Sphere Sovereignty

by George Harinck - Free University of Amsterdam

Fonte: AQUI

The Jurisprudential Legacy of Abraham Kuyper and Leo XIII

The Jurisprudential Legacy of Abraham Kuyper and Leo XIII

by Johan D. van der Vyver - Emory University School of Law


A Century of Christian Social Teaching: The Legacy of Leo XIII and Abraham Kuyper

A Century of Christian Social Teaching: The Legacy of Leo XIII and Abraham Kuyper

por Mark A. Noll - Wheaton College


Human Dignity, Personal Liberty: Themes from Abraham Kuyper and Leo XIII

Human Dignity, Personal Liberty: Themes from Abraham Kuyper and Leo XIII

por Michael Novak - American Enterprise Institute



The Problem of Kuyper’s Legacy: The Crisis of the Anti-Revolutionary Party in Post-War Holland

The Problem of Kuyper’s Legacy: The Crisis of the Anti-Revolutionary Party in Post-War Holland

por James C. Kennedy - Hope College



Passionate About the Poor: The Social Attitudes of Abraham Kuyper

Passionate About the Poor: The Social Attitudes of Abraham Kuyper 

por James D. Bratt - Calvin College

http://www.acton.org/sites/v4.acton.org/files/pdf/5.1.35-44.ARTICLE.Bratt,%20James,%20D.--Passionate%20about%20the%20Poor.pdf


Divulgação: http://luis-cavalcante.blogspot.com

Prophet of a Third Way: The Shape of Kuyper’s Socio-Political Vision por Peter S. Heslam

Prophet of a Third Way: The Shape of Kuyper’s Socio-Political Vision,
in: Journal of Markets & Morality, Volume 5, Number 1 (Spring 2002), 11–33.

Disponível em: http://www.acton.org/sites/v4.acton.org/files/pdf/5.1.11-33.ARTICLE.Heslam,%20Peter,%20S.--Prophet%20of%20a%20Third%20Way.pdf


Divulgação: http://luis-cavalcante.blogspot.com

domingo, 21 de agosto de 2011

Escritos políticos de Dooyeweerd em revisão

Escritos políticos de Dooyeweerd em revisão
por Lucas G. Freire

A edição, inédita em português, de dois ensaios de Herman Dooyeweerd sobre teoria do Estado está em processo de preparação e revisão. Dooyeweerd, antes de filósofo, contribuiu (e muito) para o desenvolvimento da Ciência do Direito, a ponto de o famoso Hans Kelsen ter mudado de opinião no final de sua vida por conta da contribuição de Dooyeweerd.

O livro, além de indicar o contorno de uma teoria política séria e profunda fundamentada no motivo-base cristão, também contribuirá para o maior conhecimento da abordagem neocalvinista no contexto lusófono. Por conta de erros grotescos de tradução, o chamado “novo calvinismo” (new calvinism), que de calvinismo pouco ou nada tem, foi associado ao nome de Kuyper, Bavinck, Schilder, Dooyeweerd, Groen van Prinsterer e outros. Assim, o vetusto neocalvinismo, força motriz do grandioso desenvolvimento político e cultural holandês a partir da segunda metade do século XIX, tem sido injustamente criticado por conta de uma associação mnemônica superficial com o dito “novo calvinismo”.

Também contribui para a confusão geral o fato de teólogos ligados à tradição introspectiva (e, em alguns casos, hipercalvinista e hiperpactualista) holandesa terem, desde a era Kuyper, criticado a defesa neocalvinsta do cristianismo como uma cosmovisão que tudo abrange. Ocorre que tais textos foram traduzidos sem que antes se ouvisse a voz kuyperiana. Pior: traduzidos sem maiores explicações sobre o fato de serem derivados de uma agenda politico-eclesiástica específica, ligada aos debates eclesiológicos holandeses. Por conta de tradução e divulgação descontextualizada dessas críticas, o povo lusófono carece de uma clareza sobre o que significa entender o cristianismo como cosmovisão.
O melhor a fazer é ler os textos (tando de um lado como de outro) nos seus respectivos contextos. Enquanto isso, simplesmente afirmo que, se cremos que o cristianismo tem algo a dizer sobre a política, devemos ler com avidez o que outros cristãos reformados, confessionais e intelectualmente privilegiados disseram no passado, em vez de tentar reinventar a roda através, ironicamente, do plágio escolástico que prevalece nos nossos meios.

Fonte: http://neocalvinismo.wordpress.com/2011/03/26/escritos-politicos-de-dooyeweerd-em-revisao/


Divulgação: http://luis-cavalcante.blogspot.com

e

http://jornalsaopaulopresbiteriano.blogspot.com

INSTITUTO DE EDUCAÇÃO E CULTURA REFORMADA

Reformar a Sociedade Brasileira através da Reforma da Educação e Cultura a partir da Cosmovisão Cristã, Reformada e Calvinista.

http://educacaoeculturareformada.blogspot.com/

sexta-feira, 8 de julho de 2011

Abriram as Inscrições para o Congresso de Psicologia e Cristianismo no Mackenzie!

Abriram as Inscrições para o Congresso de Psicologia e Cristianismo no Mackenzie!


O Mackenzie vem oferecendo há vários anos congressos internacionais de grande porte onde são tratados temas relevantes para a comunidade acadêmica e para o público em geral. Nestes congressos procura-se abordar os assuntos do ponto de vista da confessionalidade cristã reformada do Mackenzie em diálogo com outros olhares e entendimentos.

Este Congresso sobre Psicologia e Cristianismo segue esta linha de abordagem. Os principais palestrantes, Dr. David Powlison e Dr. Eric Johnson, são doutores formados em universidades seculares na área de psicologia, e tratarão do tema do ponto de vista cristão. Outros palestrantes, igualmente preparados, lançarão um olhar secular e crítico sobre esta relação entre fé e psicologia.

É um momento inédito, em que uma Universidade de grande porte e renome encara o assunto Psicologia e Cristianismo pelo viés cristão sem perder o diálogo com outras abordagens do tema.

As inscrições já estão abertas. CLIQUE AQUI para se inscrever e para mais informações.

As palestras serão transmitidas ao vivo pela internet e ficarão disponíveis para download gratuito após o evento.

Fonte: http://tempora-mores.blogspot.com/2011/07/abriram-as-inscricoes-para-o-congresso.html
+++++

Divulgação: http://luis-cavalcante.blogspot.com

Apoio:

FRENTE BÍBLICA E POLÍTICA DE UNIDADE de Cristãos, Reformados, Calvinistas, Puritanos, Evangélicos, Teonomistas e Pentecostais para Orientação e Organização Política e Estabelecimento da Moral nas Eleições de 2012 e 2014 no Estado de São Paulo.
http://educacaoeculturareformada.blogspot.com/2011/07/frente-biblica-e-politica-de-unidade.html

quinta-feira, 7 de julho de 2011

Batalha Moral: Os desafios da igreja diante do movimento gay

Batalha Moral: Os desafios da igreja diante do movimento gay



Revista Apologética Cristã traz artigo de Julio Severo



Revista Apologética Cristã traz artigo de Julio Severo

A revista Apologética Cristã deste mês é uma edição especial sobre homossexualismo. Há vários artigos de diferentes especialistas. Um dos artigos é de minha autoria e trata do imperialismo homossexual.
Para fazer a assinatura, siga este link: www.revistaapologetica.com.br

quarta-feira, 30 de março de 2011

Escritos Políticos de Dooyeweerd em Revisão

Clique no link abaixo para acessar a matéria:

http://hermandooyeweerd.blogspot.com/2011/03/escritos-politicos-de-dooyeweerd-em.html

1º SEMINÁRIO DE NEOCALVINISMO DA AKET: a visão neocalvinista de sociedade

Os últimos anos revelaram graves problemas estruturais na compreensão evangélica da missão e da espiritualidade cristã. Ao mesmo tempo, pouco tem sido feito para ampliar e aprofundar a presença evangélica no campo do pensamento teórico, colocando em sério risco o futuro do próprio movimento evangélico.

Profundamente conscientes dessa realidade, a AKET – Associação Kuyper para Estudos Transdisciplinares - tem assumido o seu lugar, ao lado de outras iniciativas, no sentido de promover a inteligência crítica sobre a fé e a presença cultural evangélica em nosso país, a partir do referencial filosófico-teológico e também missiológico de Abraham Kuyper, o fundador da tradição neocalvinista.

Para divulgar e aprofundar essa proposta em nosso país, a AKET promove agora o 1º SEMINÁRIO DE NEOCALVINISMO, que se realizará de 13 a 15 de Maio, em Belo Horizonte-MG, nas instalações do L'Abri Brasil. O tema básico do seminário será: a Visão Neocalvinista de Sociedade. Você pode participar como apresentador de comunicação ou como ouvinte. Os interessados devem ter um conhecimento mínimo sobre o Kuyperianismo e/ou o trabalho de H. Dooyeweerd, sendo o evento destinado, preferencialmente, para pessoas que já estão aplicando esses conhecimentos de forma acadêmica ou prática.

APRESENTAÇÃO DE COMUNICAÇÕES

Haverá a oportunidade para a apresentação de comunicações científicas, que não precisam ser sobre o tema central do evento, mas devem interagir criativamente com o pensamento neocalvinista e com as idéias do filósofo holandês Herman Dooyeweerd.

Os interessados devem preparar um paper (de três páginas) sobre o tema da comunicação e enviar para o email secretaria.aket@gmail.com até, no máximo, dia 30 abril de 2011. A comunicação oral terá 20 minutos de duração, acrescidos de 10 minutos para perguntas.

INSCRIÇÕES

Todos os interessados deverão fazer a inscrição através do preenchimento da ficha anexo e pagamento do valor da inscrição através de depósito bancário na conta da AKET.

Valor: R$ 140,00

A Ficha pode ser solicitada pelo email: secretaria.aket@gmail.com

INFORMAÇÕES

(31) 9225-1923 - Vanessa

(31) 2535-8962 - Guilherme

secretaria.aket@gmail.com

terça-feira, 29 de março de 2011

Como seria o mundo sem o Calvinismo?


Por Abraham Kuyper

Para provar isto, perguntem-se o que a Europa e a América teriam se tornado, se no século 16 a estrela do Calvinismo não tivesse subitamente nascido no horizonte da Europa Ocidental. Neste caso, a Espanha teria esmagado a Holanda. Na Inglaterra e Escócia, os Stuarts teriam executado seus planos fatais. Na Suíça, o espírito de indiferença teria prosperado. Os primórdios da vida neste novo mundo teriam sido de um caráter completamente diferente. E como seqüência inevitável, a balança do poder na Europa teria retornado a sua primeira posição. O Protestantismo não teria sido capaz de manter-se na política. Nenhuma resistência adicional poderia ter sido oferecida ao poder romanista conservador dos Hapsburgos, dos Bourbons e dos Stuarts; e o livre desenvolvimento das nações, como visto na Europa e América, simplesmente teria sido impedido. Todo o continente americano teria permanecido sujeito à Espanha. A história de ambos os continentes teria se tornado uma história muito triste, e sempre permanece uma questão se o espírito do Ínterim de Leipzig[1] não teria sido bem-sucedido, por via de um protestantismo romanizado, ao reduzir o norte da Europa novamente ao controle da velha hierarquia.

O Heroísmo do Espírito Calvinista

A devoção entusiástica dos melhores historiadores da segunda metade deste século à luta da Holanda contra a Espanha, um dos mais belos objetos de investigação, somente explica-se pela convicção de que se o poder da Espanha naquele tempo não tivesse sido quebrado pelo heroísmo do espírito calvinista, a história da Holanda, da Europa e do mundo teria sido tão penosamente triste e negra quanto agora; graças ao Calvinismo, ela é brilhante e inspiradora. O professor Fruin corretamente observa que: “Na Suíça, na França, na Holanda, na Escócia e na Inglaterra, e onde quer que o Protestantismo teve de estabelecer-se na ponta da espada, foi o Calvinismo que prosperou”.

O Cântico da Liberdade vira realidade, com o Calvinismo

Traga à memória que esta mudança na História do mundo não poderia ter sido realizada exceto pelo implante de outro princípio no coração humano, e pela descoberta de outro mundo de pensamento para a mente humana; que somente pelo Calvinismo o salmo de liberdade encontrou seu caminho da consciência perturbada para os lábios; que ele tem conquistado e garantido para nós nossos direitos civis constitucionais; e que, simultaneamente a isto, saiu da Europa Ocidental aquele poderoso movimento que promoveu o reavivamento da ciência e da arte, abriu novas avenidas para o comércio e negócios, embelezou a vida doméstica e social, exaltou a classe média a posições de honra, produziu filantropia em abundância, e mais do que tudo isto, elevou, purificou e enobreceu a vida moral pela seriedade puritana; e então julguem por si mesmos se expulsarão ainda mais este Deus dado pelo Calvinismo aos arquivos da História, e se é apenas um sonho imaginar que ele ainda tenha uma bênção para trazer e uma esperança brilhante para desvendar para o futuro.

O Calvinismo inspira a Vitória

A luta dos Boers[2] na Transvaal[3] contra um dos mais fortes poderes deve freqüentemente lembrar vocês de seu próprio passado. Naquilo que foi alcançado na Majuba,[4] e recentemente por ocasião do confronto de Jameson, o heroísmo do velho Calvinismo foi de novo brilhantemente evidenciado. Se o Calvinismo não tivesse sido passado de nossos pais para seus descendentes africanos, nenhuma república livre teria surgido no sul do Continente Negro. Isto prova que o Calvinismo não está morto – que ele ainda carrega em seus germes a energia vital dos dias de sua primeira glória. Sim, assim como um grão de trigo do sarcófago dos Faraós, quando novamente confiados a guarda do solo, traz fruto a cem vezes mais, assim o Calvinismo ainda carrega em si um poder maravilhoso para o futuro das nações. E se nós, cristãos de ambos os continentes, ainda em nossa santa luta, ainda estamos esperando realizar ações heróicas marchando sob a bandeira da cruz contra o espírito dos tempos, somente o Calvinismo nos equipa com um princípio inflexível, pela força deste princípio, garantindo-nos uma vitória segura, embora longe de ser uma vitória fácil.

Notas:

[1] Este Ínterim (provisório) foi feito em 1548 por Melanchton e outros sob o comando de Maurício da Saxônia. As cerimônias R. C. foram declaradas adiaphofron, e a “Sola” de Lutero foi evitada. Foi uma modificação muito mediadora do Ínterim de Augsburgo, imposto no mesmo ano. Ínterim significa “Acordo provisório”, neste caso entre os Católicos romanos e os Protestantes alemães.

[2] A maneira correta de grafar é boere, plural de boer, fazendeiro, modo pejorativo de os ingleses se referirem aos descendentes dos holandeses na África do Sul.

[3] Kuyper faz referência à Guerra dos Boers, na África do Sul (1880-1902), na qual os descendentes de holandeses lutaram contra o Império Britânico para garantir a independência daquele país. Kuyper apela à semelhança daquele levante com a Guerra de Independência dos Estados Unidos (1776).

[4] Majuba: Essa cidade foi palco de derrota dos ingleses, em fevereiro de 1881, o que garantiu o auto-governo ao Transvaal (então república, mais tarde uma das províncias da África do Sul).

Fonte: Calvinismo, Abraham Kuyper, Ed. Cultura Cristã, págs.48-50 Via: Blog dos Eleitos