Software de Gestão do Conhecimento para Trabalhos Acadêmicos

Clique AQUI para acessar mais informações.


Seguidores

domingo, 8 de agosto de 2010

A COSMOVISÃO KUYPERIANA

O Teólogo e Filósofo Dr. Abraham Kuyper (1837 - 1920), foi um calvinista de origem holandesa, envolvido nas áreas acadêmicas e políticas da Holanda, servindo como Primeiro Ministro da Holanda entre 1901 a 1905. Fundador da Universidade Livre de Amsterdã (1880), foi administrador e professor, o Dr. Kuyper estava convicto, à luz da Teologia Calvinista, que o Cristão deveria ocupar todas as áreas da vida dita secular, não apenas religiosa. Para ele, o Calvinismo "transcende as esferas teológica e eclesiástica, ele é um sistema de vida; Ocalvinismo é uma força cultural, uma biocosmovisão, um sistema de vida , e por isso não pode estar restrito às esferas eclesiástica e teológica"(OLIVEIRA, Curso de Cosmovisão Reformada).

Abaixo um texto-resumo da visão conhecida como Neo-Calvinismo ou Filosofia Reformacional. Se você deseja conhecer um pouco mais sobre o Dr. Kuyper, recomendo fortemente o livro Calvinismo (São Paulo: Cultura Cristã, 2002).
_________________________________

A Cosmovisão Kuyperiana é uma tradição no Cristianismo (frequentemente chamado de “neo-calvinismo”) que concentra-se na redenção de todas as coisas. Ela também é chamada de “Cristianismo Reformacional”, porque sustenta uma cosmovisão que conta a história Cristã da:

* CRIAÇÃO
* QUEDA
* REDENÇÃO
* CONSUMAÇÃO

Nós estamos no capítulo da História Reformacional de Deus chamada “Redenção” e, portanto, somos chamados a cumprir aquela porção da Oração do Senhor que diz: “Venha o teu Reino, seja feita a tua vontade na terra como é feita no céu”

Aqui estão as quarto visões particulares do Neo-Calvinismo:

1. Ordem da Criação

Porque a criação foi criada num estado "muito bom", há um potencial inerente à ordem criada que também é bom. O "Mandato Cultural" de Gênesis 1.28 e 2.15 nos diz que a humanidade tem a missão de aproveitar esta potencialidade para desenvolver a cultura como Deus planejou. Tecnologia, cultura popular, o progresso, e sim, até na política, devem ser entendidas como parte da ordem original de Deus criou.

2. Antítese

O pecado não só permeia o coração de cada ser humano individual, mas também passa por todo o cosmos. Romanos 8 nos diz que toda a criação "geme" – ela sofre também. Embora o pecado seja pessoal, ele também se manifesta nas diversas organizações da sociedade.

3. Graça Comum

Mas a criação de Deus ainda é boa, embora maculada pelo pecado. Se a criação de Deus é organizada de acordo com a sua boa vontade, ele ainda oferece bons benefícios para os seres humanos. Por sua graça, Deus não apenas permite que os crentes contribuam para o bem comum, mas também os descrentes. Porque todo ser humano é feito à imagem do Deus, os incrédulos podem ter percepções verdadeiras e executar obras benéficas. Isto tem implicações enormes em nossa compreensão da atividade cultural, tanto por crentes e descrentes, e como interagirem entre si para o bem comum na renovação da sociedade, tecnologia, política etc.

4. Esfera de Soberania

O Neo-Calvinista declara que Deus criou uma diferenciação dentro da sociedade entre as diferentes “esferas de autoridade”. A Esfera de Soberania oferece uma matriz diferente para a compreensão da sociedade a partir do paradigma americano das “duas faces", que reduz a sociedade ao indivíduo e Estado. A Esfera de Soberania acredita que há estruturas sociais intermediárias, tais como famílias, igrejas, empresas e escolas que contribuem para o tecido social, tanto como indivíduos e do Estado.

"Não Existe nem uma polegada quadrada no domínio total da existência humana sobre a qual Jesus Cristo, que é soberano sobre todos, não diga: Meu!"

Fonte: Friend of Kuyper / PROF. GASPAR DE SOUZA

Um comentário:

  1. Olá prof. Cavalcante, gostaria de parabenizá-lo pelo texto e pedir-lhe uma mãozinha: Estou precisando fazer um trabalho sobre a Cosmovisão Bíblica na perspectiva de Abraham Kuyper, e queria saber se o sr. pode me indicar algum livro que aborde este tema.

    Grato desde já,

    Nelson Ávila.

    ResponderExcluir